> Musculação e Músculos



Depois dos 20 anos de idade, adultos que não praticam atividades que promovam força, perdem aproximadamente 500 g. de massa muscular a cada 2 anos. Esta modificação na composição corporal é muito significativa, pois pessoas inativas que mantém exatamente o mesmo peso até os 40 anos, por exemplo, já perderam quase 10 kg. de massa muscular e em seu lugar acumulou gordura. Tudo porque o tecido muscular requer um gasto energético alto para sua síntese de proteínas, manutenção e reparo.

Quando dormimos, 25% do total de nossas calorias consumidas são utilizadas nestas funções.

Segundo fisiologistas, a cada 500 g. de massa muscular perdida, a nossa frequência metabólica (total de energia consumida diariamente), decresce em 50 calorias, ao passo que com o ganho de 500 g. de massa muscular ocorre exatamente o inverso, ou seja, são gastas mais 50 calorias por dia.

Isto explica, porque as pessoas que não modificam em nada o seu modo de vida e os seus hábitos alimentares começam a engordar por volta dos 30 anos.

É importante observar que os exercícios abdominais realizados com ou sem equipamentos não “tiram a barriga”, isto é, não removem a gordura acumulada nessa região.

Para queima dessa gordura localizada, é necessário realizar exercícios aeróbios como caminhar, nadar, correr, pedalar, etc..

Além das funções normais dos músculos como manutenção da postura, realização de tarefas do dia a dia, prática de esportes e lazer, há uma função muito importante que é a de promover o retorno de sangue de volta para o coração. Esse retorno é resultado, principalmente, de um sistema de bombeamento que conta com as válvulas das veias, que impedem o refluxo de sangue e a ação dos músculos que funcionam como verdadeira bomba de retorno, através de suas ações contráteis.

Em termos simples, podemos dizer que o coração manda sangue para os músculos e estes o fazem retornar para o coração.

Durante o repouso, o coração bombeia cerca de 5 litros de sangue por e quando realizamos um exercício físico intenso esse volume aumenta para até 30 ou 40 litros em indivíduos treinados. Essa adaptação é o resultado da enorme capacidade do nosso coração em bombear sangue para os nossos músculos durante o esforço físico.

 

Emilio Marchetti e Márcio Macarini
Setembro/2012