> Que tal “correr” atrás das promessas de final de ano ?



Muitos de nós, ao final do ano, nos achamos sem condições estéticas de colocar uma roupa de ginástica, um biquíni ou sunga, ou mesmo uma roupa ou camiseta mais justa. Assim, assumimos compromissos de ir às academias, fazer exercícios físicos e planejar um novo regime alimentar ou de usar um produto milagroso.

Quando pensamos em saúde e bem estar e até mesmo na beleza do corpo, há que observar que essas opções não são o único caminho.

Parece que ao entrar em academias ou comprarmos um novo produto, estamos sendo colocados em formas de bolo, seguindo a receita à risca com vários ingredientes. Aquele que adicionar um “fermento” diferente conseguirá um bolo, ou seja, um corpo mais bonito.

Quando o resultado esperado não vem, nos sentimos culpados e achamos que não nos empenhamos, que não tivemos força de vontade ou que não sentimos prazer naquilo que nos propusemos a fazer.

A beleza física, o modelo que querem nos tornar é fruto de uma sociedade e de uma necessidade mercadológica. Ganha-se muito dinheiro com a venda de produtos ou fórmulas que trazem a fantasia de sermos bonitos e de entrarmos em forma tão rapidamente. Porém, esses produtos não são capazes de esconder as frustrações que motivaram os exageros e, quando não conseguimos atingir os objetivos esperados, e alguns deles são inatingíveis, o sentimento de fraqueza e incapacidade são ainda maiores.

Andar em um ritmo relativamente forte (5 km/h a 6,5 km/h) por cerca de uma hora, quatro a cinco vezes por semana aliada a uma dieta balanceada sem exageros e sem sacrifícios, traz benefícios evidentes e duradouros à saúde, podendo prevenir, ou diminuir o risco de várias doenças e assim, deixar seu corpo mais bonito, parece mais simples do que imaginamos.

Mas, acima de tudo, devemos sentir prazer naquilo que faremos para cumprir as promessas de final de ano. Pode ser academia, caminhada, natação, não importa o tipo de atividade. Importa sim, o prazer que sentimos em executá-la.

O que sabemos é que “o exercício físico regular é provavelmente a atividade mais próxima de uma ‘poção mágica’ que a medicina tem a oferecer”, diz Johann Manson, chefe de medicina preventiva do Harvard’s Brigham and Women’s Hospital.

“Se todos nos E. U. A. caminhassem 30 minutos por dia, poderíamos diminuir entre 30% e 40% a incidência de várias doenças crônicas”. (Texto baseado em artigo da na Revista Time – 10/01/2002)

 

Emilio Marchetti e Marcio Macarini
Janeiro/2013